Grãos de poeira

Por: Darlon Silva

Todo mundo tem aquela parte de si que insiste em esconder e não pensar a respeito. De vergonha. Debaixo de todo cabelo cacheado há piolhos, terríveis, piores e mais resistentes que a ideia quando nasce cabeludíssima e salta frenética pela cabeça do indivíduo.
Todo mundo procura umas máscara sartriniana (oi?) pra se esconder sob ela, fugir de suas vaidades, esquecer da podridão dos instintos mais básicos e primitivos. Todo mundo sabe que não existiria estrela sem poeira, portanto uma casa empoeirada também é uma casa cheia de estrelas e do brilho delas.
Todo mundo sabe que algumas pessoas querem sentir o fulgor das estrelas, o queimar das imensas chamas de luz,  mas são poeira, sentem-se menosprezadas por isso, porém poeira é o início de todo brilho estelar, não?
Então por quê desprezar a poeira, se ali é a constatação do pequeno, do mínimo e ao mesmo tempo, o nascimento da glória, do grande e do eterno?
Prefiro o crescimento contínuo da poeira a caminho dos céus que a decadência das cadentes rumo ao inferno.
Prefiro a companhia dos grãos à solidão da magnitude.
Prefiro me manter no chão, a partir de agora.
Eu não preciso mais de todo mundo.
Preciso.

Anúncios
  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: